CLASSIFICADOS ON-LINE   |   CLASSIFICADOS IMPRESSO   |   DESENVOLVIMENTO DE SITES   |   GRÁFICA   |   MÍDIA INDOOR   |   REDES SOCIAIS   |   VÍDEOS ANIMADOS   |   NOTÍCIAS

Remanescentes de escravos, três kalungas de uma comunidade quilombola são infectados por coronavírus em Goiás

Cuidadora de idoso que trabalha em Brasília retornou à comunidade quilombola num período de folga e contaminou o esposo e o filho. O idoso com quem ela trabalha está internado por Covid-19 em uma UTI daquela cidade. Coronavírus chega à comunidade Kalunga, em Goiás Uma cuidadora de idoso, de 32 anos, moradora de uma comunidade kalunga, no Norte do estado, localidade que abriga os quilombos mais isolados do país, foi contaminada pelo coronavírus. A mulher trabalha em Brasília, no Distrito Federal, com um idoso que atualmente está internado numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI) daquela cidade por causa do novo vírus, segundo informações apuradas pela TV Anhanguera. Além da cuidadora, o marido dela, de 29 anos, e o filho do casal, de 1 ano e 4 meses, também foram contaminados. A família mora numa comunidade quilombola em Teresina de Goiás. Nessa comunidade moram 150 famílias. Mais duas cidades vizinhas, Cavalcante e Monte Alegre, abrigam quase 2 mil famílias de kalungas, distribuídas em vários quilombos. O secretário municipal de Saúde de Teresina de Goiás, Joseme Pereira Lopes, disse que a mulher apresentou os sintomas assim que voltou para casa após retornar num período de folga do trabalho. "Ela apresentou os sintomas logo nos primeiros dias. A nossa equipe se deslocou até a sua residência e os colocou em isolamento, prestando toda a assistência necessária à essa família. Encontram-se também em isolamento mais três pessoas da comunidade por ter tido contato com essa família", explicou Lopes. A cidade de Teresina fica a 489 quilômetros de Goiânia, capital do estado, onde estão concentradas grande parte dos hospitais estaduais e municipais, e a maior quantidade de leitos de UTI estão na Região Metropolitana. Isso agrava a preocupação dos moradores da comunidade que podem precisar de atendimento médico de alta complexidade depois da entrada do vírus no quilombo. Em Teresina de Goiás, a estrutura hospitalar é de um Pronto Socorro médico e duas unidades básicas de saúde, mas não dispõem de nenhum leito especial. A Secretaria de Saúde estadual disse em nota que se reunirá na próxima segunda-feira (25) com a prefeitura de Teresina de Goiás, a Coordenação Nacional dos Povos Quilombolas (Conaq), a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Seds) e representantes da comunidade quilombola, para realizarem um levantamento da situação dessas comunidades. Veja outras notícias da região no G1 Goiás.


Fonte: G1 > Rio de Janeiro
https://g1.globo.com/go/goias/noticia/2020/05/22/remanescentes-de-escravos-tres-kalungas-de-uma-comunidade-quilombola-sao-infectados-por-coronavirus-em-goias.ghtml


Boletim Informativo

Cadastre-se para receber nosso boletim informativo e notícias de sua cidade ou região.


Copyright 2013-2020 Classificados da barra - (21) 4107-6698 / 3502-0876 / 96475-6947.
Classificados da Barra LTDA, CNPJ: 28.894.203/0001-98, Rua Esperança, 259 SL 01 , Vargem Grande, Rio de Janeiro/RJ, CEP: 22785-590 Todos os direitos são reservados. Proibido a reprodução sem a devida autorização.