CLASSIFICADOS ON-LINE   |   CLASSIFICADOS IMPRESSO   |   DESENVOLVIMENTO DE SITES   |   GRÁFICA   |   MÍDIA INDOOR   |   REDES SOCIAIS   |   VÍDEOS ANIMADOS   |   NOTÍCIAS

Consumidor de Mogi das Cruzes tem prejuízo de mais de R$ 18,5 mil após arrematar carro em leilão

Edvaldo encontrou o leilão na internet, mas descobriu que a empresa não existia quando foi até Osasco buscar o automóvel. Especialista em consumo Dori Boucault dá orientações. De Olho nas Compras: Técnico de informática perde dinheiro em leilão pela internet Um técnico de informática de Mogi das Cruzes teve um prejuízo de mais de R$ 18,5 mil depois de cair no golpe do leilão. Ele havia arrematado um carro pela internet com o dinheiro que recebeu de empréstimo de um banco. Quando foi buscar o automóvel, no entanto, descobriu que a empresa não existia. O caso foi assunto do quadro De Olho nas Compras, do Diário TV, nesta terça-feira (19). O especialista em direito do consumidor Dori Boucault explicou como o consumidor deve proceder em situações como essa e quais cuidados a tomar para não passar por problemas parecidos. Edvaldo Alves dos Anjos conta que já acumulava diversas dívidas, inclusive por outro carro que possui, e que aproveitou um empréstimo bancário para comprar um novo veículo. “Eu achei que era um dinheiro legal, que ia me ajudar de momento, porque eu tenho outro veículo, porém, estou com muitas parcelas dele em atraso por conta de outras contas também”, comenta. Na intenção de economizar, ele resolveu buscar por sites de leilão e encontrou um que oferecia, segundo ele, uma comunicação transparente e boas condições para o arremate do produto. Ele checou dados da empresa, como CNPJ, entrou em contato com vendedores e tirou todas as dúvidas sobre o automóvel. No entanto, o consumidor não teve a oportunidade de ir até o endereço anunciado no site. Edvaldo afirma que fez lance mais alto e conseguiu arrematar o carro. Chegou a enviar fotos de seus documentos e dados bancários para autorizar a compra. Em seguida, recebeu um boleto do site para que realizasse o pagamento. Ele chegou a conversar com o gerente do seu banco, que o orientou sobre questões de segurança e sugeriu que fizesse o pagamento pelo caixa eletrônico. “Eu fiz, mandei para a empresa o comprovante do arremate do carro. Eles me mandaram o certificado de garantia do veículo, garantia de motor, garantia de cambio de 90 dias”, relembra o consumidor. Anjos diz, no entanto, que quando foi até Osasco buscar o carro, recebeu a notícia de que a empresa não existia e que havia sido enganado. “Cheguei lá o endereço até batia pelo que me passaram, mas uma pessoa me atendeu e me disse que eu tinha caído em uma fraude. Meu mundo desabou. Eu sentei na guia e só pedia para Deus uma luz”, lamenta. Ele chegou a buscar uma delegacia na cidade, mas foi orientado a registrar um boletim de ocorrência em Mogi das Cruzes. Conseguiu fazer três dias depois, após noites sem dormir por preocupação. “Procurei também o Procon para pegar umas orientações. Foi bem claro para mim e é o que está me ajudando a ter uma esperança de, pelo menos, reaver esse dinheiro para dormir. Realmente, a situação está bem complicada. Estou chateado demais”. O consumidor afirma que o site continua no ar, assim como os canais de comunicação disponibilizados. Receoso, ele diz que prefere não abordar o assunto com os supostos vendedores, porque teme atrapalhar as investigações. “O que eu pergunto o pessoal me responde. Quanto à entrega do carro eu entro bem pouco na questão, porque estou com medo de me aprofundar nisso aí e eles tirarem do ar. Então o WhatsApp deles continua no ar normalmente, funciona das 8h às 17h”. "Eu pesquisei na internet. Foi meu maior erro. Por mais que a gente trabalhe com informática, essas coisas, o ser humano acaba sendo falho em muitas coisas", lamenta. A produção do Diário TV ligou para o número da suposta empresa de leilão para questionar a não entrega do automóvel, mas não conseguiu falar com ninguém. A Secretaria de Segurança Pública informou que o caso é investigado como estelionato pelo 1º Distrito Policial de Mogi das Cruzes. Disse também que a vítima já foi ouvida e que a unidade trabalha para identificar e prender os responsáveis pelo crime. Direitos do consumidor Dori Boucault ressalta que não verificar se a empresa existe no endereço indicado é um erro que pode ser decisivo em casos como esse. Ele também lembra que é fundamental que o consumidor não exponha dados ou compartilhe documentos, pois pode ter consequências ainda piores. “Eu fico muito preocupado quando você manda seus dados pessoais, seus dados financeiros. Eles podem fazer clonagens, criar outras pessoas, criar dívidas. Se são criminosos, fico muito preocupado com a situação do Edvaldo. Quando você começa a investigar, e queira Deus que nada disso aconteça, mas esse pessoal é bandido e se é bandido a gente não sabe o que esperar”, explica. O banco pode ajudar? Como a financeira prestou o serviço ao disponibilizar o empréstimo, Boucault diz que a única forma de ajudar o consumidor, considerando que ele caiu em um golpe, seria facilitando o pagamento da dívida e auxiliando nas investigações. “Eu solicito que o banco, como tem naqueles feirões, aquele pessoal que faz aqueles acertos de reduzir, que pelo menos atenda. Verifique que foi um crime, ajude na investigação também, internamente, e procure ajudar esse rapaz: tirando juros principais, abatendo, pelo menos, uma parte grande desse envio. Ele não pegou esse dinheiro e o banco tem entidades internas que fazem apurações. Quando percebe que é boa fé do nosso cliente, o banco dá uma solução”, comenta o especialista. É preciso manter a calma Embora a situação gere estresse, Dori também diz que é importante que o consumidor não assuste os golpistas, pois eles podem fugir e dificultar o trabalho da polícia. Manter a calma, neste caso, é essencial. “A orientação para o Edvaldo é que ele não crie um caso, não comece a discutir, porque se não eles abrem outra página, eles pegam um celular roubado e criam outra situação. Agora, a polícia tem que buscar essas informações. Infelizmente, tem que ter calma, sangue frio. É difícil, pois uma dívida desse valor, desse tamanho, prejudica muito qualquer pessoa”, afirma Boucault. É possível recuperar o valor? Se a fraude for confirmada e os suspeitos forem presos, existe a possibilidade de ressarcimento. No entanto, Dori diz que a probabilidade é baixa. “Se a polícia encontrar esses criminosos, não sei, não é uma empresa. Se é uma empresa, você pode contratar um advogado. Quando são bandidos, não sei nem se existem carros, se existem outros bens. Quando a polícia retira, recolhe, ela pode fazer alguma coisa em espécie de ressarcimento”. Por fim, o advogado faz um alerta aos consumidores. “Não mande dados pessoais, não mande dados financeiros. Se for comprar um carro, vá numa loja, se for comprar mais longe, leve também seu mecânico. Aqui em Mogi ou lá fora. Não mande dinheiro. Hoje em dia é muito fácil cair em um golpe”, declara. Histórias e perguntas envolvendo consumo podem ser enviadas ao quadro De Olho nas Compras por meio da ferramenta colaborativa VC no G1.


Fonte: G1 > Rio de Janeiro
https://g1.globo.com/sp/mogi-das-cruzes-suzano/noticia/2020/05/19/consumidor-de-mogi-das-cruzes-tem-prejuizo-de-mais-de-r-185-mil-apos-arrematar-carro-em-leilao.ghtml


Boletim Informativo

Cadastre-se para receber nosso boletim informativo e notícias de sua cidade ou região.


Copyright 2013-2020 Classificados da barra - (21) 4107-6698 / 3502-0876 / 96475-6947.
Classificados da Barra LTDA, CNPJ: 28.894.203/0001-98, Rua Esperança, 259 SL 01 , Vargem Grande, Rio de Janeiro/RJ, CEP: 22785-590 Todos os direitos são reservados. Proibido a reprodução sem a devida autorização.