CLASSIFICADOS ON-LINE   |   CLASSIFICADOS IMPRESSO   |   DESENVOLVIMENTO DE SITES   |   GRÁFICA   |   MÍDIA INDOOR   |   REDES SOCIAIS   |   VÍDEOS ANIMADOS   |   NOTÍCIAS

Meditação matinal - Livro E recebereis Poder - Ellen White- CAPÍTULO 9 mês de Setembro 2020

Meditação matinal - Livro E recebereis Poder - Ellen White-  CAPÍTULO 9 mês de Setembro 2020

Publicado em | 16 Ago 2020

Compartilhe:

Enoque

Pela fé, Enoque foi trasladado para não ver a morte; não foi achado, porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de haver agradado a Deus. Heb. 11:5.

Enoque foi um ensinador público da verdade na época em que viveu. Ele ensinava a verdade; vivia a verdade; e o caráter do ensinador que andava com Deus era, em todos os aspectos, harmonioso com a grandeza e santidade de sua missão. Enoque era um profeta que falava, movido pelo Espírito Santo. Ele foi uma luz em meio à escuridão moral, um homem-modelo, um homem que andava com Deus, sendo obediente à lei de Deus - essa lei que Satanás havia se recusado a obedecer, que Adão havia transgredido, a que Abel havia obedecido e por cuja obediência foi assassinado.

E agora, Deus iria demonstrar ao Universo a falsidade da acusação de Satanás, de que o homem não pode guardar a lei de Deus. Ele demonstraria que embora o homem houvesse pecado, podia relacionar-se de tal modo com Deus que adotaria Sua mente e caráter, e seria um símbolo representativo de Cristo. Esse santo homem foi escolhido por Deus para denunciar a impiedade do mundo e evidenciar-lhe que é possível aos homens observarem toda a lei de Deus. ...

Enoque não somente meditava e orava, e revestia-se com a armadura da vigilância, mas retirava-se de suas petições a Deus para pleitear com seus semelhantes. Ele não disfarçou a verdade para achar favor entre os descrentes, negligenciando assim suas almas. Esta íntima ligação com Deus deu-lhe coragem para realizar as obras de Deus. Enoque andou com Deus e "teve o testemunho de que suas obras agradavam a Deus". Heb. 11:5.

Este é o privilégio de todo crente hoje. É Deus habitando com o homem, e Deus fazendo Sua morada no homem. "Eu neles, e Tu em Mim" (João 17:23), disse Jesus. Caminhar com Deus e ter o testemunho de que suas obras O agradam é uma experiência que não deve restringir-se a Enoque, a Elias, aos patriarcas, aos profetas, aos apóstolos e aos mártires. Não é somente o privilégio, mas o dever de todo seguidor de Cristo ter Jesus entesourado no coração para levá-Lo consigo em sua vida; e eles serão verdadeiramente árvores que produzem frutos. Olhando Para o Alto, pág. 222.


RP - Pag. 256 

Noé

Disse o Senhor a Noé: Entra na arca, tu e toda a tua casa, porque reconheço que tens sido justo diante de Mim no meio desta geração. Gên. 7:1.

Nos dias de Noé, a impiedade do mundo se tornou tão grande que Deus não mais pôde suportá-la; e Ele disse: "Farei desaparecer da face da Terra o homem que criei." Gên. 6:7. Mas compadeceu-Se da raça humana, e em Seu amor providenciou um refúgio a todos os que o aceitassem. Ele deu a mensagem a Noé, a fim de transmiti-la ao povo: "O Meu Espírito não agirá para sempre no homem." Gên. 6:3.

Foi ordenado que Noé construísse uma arca, e ao mesmo tempo pregasse que Deus traria um dilúvio sobre a Terra para destruir os ímpios. Aqueles que cressem na mensagem e se preparassem para esse evento, mediante arrependimento e reforma, encontrariam perdão e seriam salvos; mas a contínua resistência aos apelos e advertências de Deus por intermédio de Seu servo Noé os separaria de Deus, e como resultado, cessariam os rogos de infinita misericórdia e amor.

O Espírito de Deus continuou a agir no homem rebelde até que o tempo indicado havia quase expirado, e então Noé e sua família entraram na arca, e a mão de Deus fechou a porta. A misericórdia havia descido de seu trono dourado para não mais interceder pelo pecador culpado.

Nem todos os homens daquela geração estavam incluídos no sentido completo do termo "pagãos idólatras". Muitos tinham conhecimento de Deus e de Sua lei, mas não apenas rejeitaram a mensagem do fiel pregoeiro da justiça, como também usaram sua influência para impedir que outros fossem obedientes a Deus. Toda pessoa tem o seu dia de prova e lealdade. Aquela geração tivera o seu dia de oportunidade e privilégio, enquanto Noé anunciava a mensagem de advertência sobre a destruição vindoura; eles, porém, renderam a mente ao controle de Satanás, e não a Deus, e ele os enganou, como fez com nossos primeiros pais. Colocou diante deles trevas e falsidade no lugar da luz e da verdade; e eles aceitaram os seus sofismas e mentiras, porque isto lhes era aceitável, e estava em harmonia com sua vida corrupta, ao passo que a verdade que os teria salvo foi rejeitada como se fosse uma ilusão. Signs of the Times, 1º de abril de 1886.


RP - Pag. 257 

Abraão

Depois destes acontecimentos, veio a palavra do Senhor a Abrão, numa visão, e disse: Não temas, Abrão, Eu sou o teu escudo, e teu galardão será sobremodo grande. ... Então, conduziu-o até fora e disse: Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes. E lhe disse: Será assim a tua posteridade. Ele creu no Senhor, e isso lhe foi imputado para justiça. Gên. 15:1, 5 e 6.

Deus queria que Abraão fosse um conduto de luz e bênção, que ele tivesse uma influência agregativa, e que Deus tivesse um povo sobre a Terra. Abraão devia estar no mundo, refletindo em sua vida o caráter de Jesus. Quando recebeu o chamado divino, Abraão não era um homem famoso, nem um legislador ou conquistador. Ele era um simples criador de gado, que habitava em tendas, mas empregava um grande número de trabalhadores para levar avante sua humilde ocupação. E a honra que ele recebeu foi devido a sua fidelidade a Deus, estrita integridade e procedimento justo.

O Senhor disse a seu respeito: "Ocultarei a Abraão o que estou para fazer, visto que Abraão certamente virá a ser uma grande e poderosa nação, e nele serão benditas todas as nações da Terra? Porque Eu o escolhi para que ordene a seus filhos e a sua casa depois dele, a fim de que guardem o caminho do Senhor, e pratiquem a justiça e o juízo; para que o Senhor faça vir sobre Abraão o que tem falado a seu respeito." Gên. 18:17-19.

A vida altruísta de Abraão tornou-o realmente um "espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens". I Cor. 4:9. E o Senhor declarou que abençoaria os que bendissessem a Abraão, e puniria os que o maltratassem ou prejudicassem. Por meio da experiência de Abraão em sua vida religiosa, tem sido transmitido um correto conhecimento de Jeová a milhares de pessoas; e a sua luz lançará seus raios ao longo do caminho dos que praticam a piedade, a fé, a devoção e a obediência de Abraão.

Abraão teve conhecimento de Cristo; pois o Senhor o esclarecera quanto ao Redentor do mundo. E ele fez saber a sua casa e a seus filhos que as ofertas sacrificais prefiguravam a Cristo, o Cordeiro de Deus, que seria morto pelos pecados do mundo. Assim, ele reuniu conversos para crerem no único Deus vivo e verdadeiro. Youth´s Instructor, 4 de março de 1897.


RP - Pag. 258 

José

Deus me enviou adiante de vós, para conservar vossa sucessão na Terra e para vos preservar a vida por um grande livramento. Assim, não fostes vós que me enviastes para cá, e sim Deus, que me pôs por pai de Faraó, e senhor de toda a sua casa, e como governador de toda a terra do Egito. Gên. 45:7 e 8.

O desígnio de Deus era que por intermédio de José a religião bíblica fosse introduzida entre os egípcios. Esta fiel testemunha devia representar a Cristo na corte dos reis. Por meio de sonhos, Deus Se comunicou com José em sua juventude, dando-lhe uma indicação da elevada posição que ele seria convidado a ocupar. Os irmãos de José, para impedir o cumprimento de seus sonhos, venderam-no como escravo, mas o seu ato de crueldade resultou na execução daquilo mesmo que os sonhos haviam predito.

Aqueles que procuram frustrar o propósito de Deus e opor-se a Sua vontade podem parecer prosperar durante algum tempo; mas Deus está a postos para cumprir Seus próprios desígnios, e Ele manifestará quem é o governante dos Céus e da Terra.

José considerou o ser vendido para o Egito como a maior calamidade que lhe poderia haver sobrevindo; viu, porém, a necessidade de confiar em Deus como nunca o fizera quando protegido pelo amor de seu pai. José levou Deus consigo para o Egito, e isto se tornou patente pela sua atitude animosa em meio da aflição. Como a arca de Deus trouxe descanso e prosperidade a Israel, assim esse jovem amante de Deus e a Ele temente levou uma bênção ao Egito. Isto se manifestou de maneira tão assinalada, que Potifar, em cuja casa ele servia, atribuiu todas as bênçãos que fruía ao escravo que comprara, e dele fez mais um filho que um servo. O propósito de Deus é que aqueles que amam e honram o Seu nome também sejam honrados, e que a glória dada a Deus por seu intermédio seja refletida sobre eles mesmos.

O caráter de José não se modificou quando ele foi elevado a uma posição de confiança. Foi conduzido aonde sua virtude brilharia de maneira distinta, em boas obras. A bênção de Deus repousou sobre ele na casa e no campo. Todas as responsabilidades da casa de Potifar foram colocadas sobre ele. E em tudo isso José manifestou firme integridade; pois amava e temia a Deus. Youth´s Instructor, 11 de março de 1897.


RP - Pag. 259 

Moisés

Então, disse Moisés a Deus: Quem sou eu para ir a Faraó e tirar do Egito os filhos de Israel? Deus lhe respondeu: Eu serei contigo; e este será o sinal de que Eu te enviei: depois de haveres tirado o povo do Egito, servireis a Deus neste monte. Êxo. 3:11 e 12.

Devoção e humildade sempre caracterizaram os homens a quem Deus confiou importantes responsabilidades em Sua obra. O chamado divino a Moisés no deserto encontrou-o sem confiança em si mesmo. Ele reconheceu sua incapacidade para a posição a que Deus o chamara; havendo, porém, aceito o encargo, tornou-se um polido instrumento nas mãos de Deus para realizar a maior obra já confiada aos mortais.

Houvesse Moisés confiado em sua própria força e sabedoria, aceitando com avidez a grande incumbência, e teria evidenciado sua completa inaptidão para tal obra. O fato de que um homem sente a sua fraqueza é ao menos alguma prova de que se compenetra da magnitude da obra a ele designada, e isso dá lugar à esperança de que fará de Deus seu conselheiro e força. Tal pessoa não irá mais longe nem se moverá mais depressa do que sabe que Deus a está guiando.

O homem adquirirá força e eficiência ao aceitar as responsabilidades que Deus põe sobre ele, e ao procurar de toda a alma qualificar-se para assumi-las devidamente. Por humilde que seja a sua posição ou limitada a sua habilidade, atingirá a verdadeira grandeza o homem que atende prazerosamente ao chamado do dever e, confiando na força divina, procura efetuar sua obra com fidelidade. Ele sentirá que tem o sagrado encargo de batalhar contra o mal, de fortalecer o que é certo, de elevar, confortar e abençoar seus semelhantes. A indolência, o egoísmo e o amor da aprovação terrena precisam submeter-se a esse elevado e santo chamado.

Empenhado em semelhante trabalho, o fraco tornar-se-á forte; o tímido, audaz; o irresoluto, firme e decidido. Cada qual vê a importância de sua posição e atitude, visto que o Céu o escolheu para realizar um trabalho especial para o Rei dos reis. Tais homens deixarão o mundo em melhor situação por haverem vivido nele. Sua influência é exercida para elevar, purificar e enobrecer todos aqueles com quem se põem em contato, e assim eles ajudam a preparar os semelhantes para as cortes celestiais. Signs of the Times, 11 de agosto de 1881.


RP - Pag. 260 

Josué

Ninguém te poderá resistir todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei, nem te desampararei. Jos. 1:5.

Depois da morte de Moisés, Josué foi designado como dirigente de Israel para conduzi-los à Terra Prometida. Ele estava bem habilitado para este importante cargo. Fora primeiro-ministro para Moisés durante a maior parte do tempo que os israelitas haviam vagueado no deserto. Vira as maravilhosas obras de Deus efetuadas por Moisés e compreendia muito bem a índole do povo. Ele foi um dos doze espias enviados para examinar a Terra Prometida, e um dos dois que apresentaram um relato fiel de sua riqueza e animaram o povo a subir e possuí-la na força de Deus.

O Senhor prometeu a Josué que estaria com ele assim como esteve com Moisés, fazendo de Canaã uma fácil conquista para ele, contanto que fosse fiel em observar todos os Seus mandamentos. Josué ficara preocupado com a execução de seu encargo de levar o povo à terra de Canaã; mas essa garantia removeu-lhe os temores. Ele mandou que os filhos de Israel se preparassem para uma caminhada de três dias, e que todos os homens de guerra se aprontassem para a batalha.

"Então, responderam a Josué, dizendo: Tudo quanto nos ordenaste faremos e aonde quer que nos enviares iremos. Como em tudo obedecemos a Moisés, assim obedeceremos a ti; tão-somente seja o Senhor, teu Deus, contigo, como foi com Moisés. Todo homem que se rebelar contra as tuas ordens e não obedecer às tuas palavras em tudo quanto lhe ordenares será morto, tão-somente sê forte e corajoso." Jos. 1:16-18.

Deus queria que a passagem dos israelitas pelo Jordão fosse miraculosa. Josué ordenou que o povo se santificasse, porque no dia seguinte o Senhor faria maravilhas no meio deles. No tempo designado, ele mandou que os sacerdotes erguessem a arca que continha a lei de Deus, e a levassem adiante do povo. "Então, disse o Senhor a Josué: Hoje, começarei a engrandecer-te perante os olhos de todo o Israel, para que saibam que, como fui com Moisés, assim serei contigo." Jos. 3:7. Testimonies, vol. 4, págs. 156 e 157.


RP - Pag. 261 

Débora e Baraque

Naquele dia, cantaram Débora e Baraque, filho de Abinoão, dizendo: Desde que os chefes se puseram à frente de Israel, e o povo se ofereceu voluntariamente, bendizei ao Senhor. Juí. 5:1 e 2.

Havendo-se novamente separado de Deus pela idolatria, os israelitas foram severamente oprimidos por esses inimigos. As propriedades e até a vida do povo estavam em constante perigo. Por isso as aldeias e as habitações isoladas foram abandonadas, e o povo reuniu-se nas cidades muradas. As estradas principais não eram usadas, e as pessoas iam de um lugar para outro por caminhos pouco freqüentados. Nos lugares em que se tirava água, muitos eram assaltados e até assassinados, e para aumentar sua aflição, os israelitas estavam indefesos. Entre quarenta mil homens, não se encontrou uma só espada ou lança.

Durante vinte anos os israelitas sofreram sob o jugo do opressor; então eles se voltaram de sua idolatria, e em humildade e arrependimento clamaram ao Senhor por livramento. E não clamaram em vão. Habitava em Israel uma mulher, famosa por sua religiosidade, e por meio dela o Senhor escolheu livrar o Seu povo. Seu nome era Débora. Era conhecida como profetisa, e na ausência dos costumeiros juízes, o povo se dirigia a ela em busca de conselho e justiça.

O Senhor comunicou a Débora o Seu propósito de destruir os inimigos de Israel, e mandou-a chamar um homem por nome Baraque, da tribo de Naftali, e dar-lhe a conhecer as instruções que recebera. Ela, por conseguinte, mandou chamar a Baraque, e instruiu-o a reunir dez mil homens das tribos de Naftali e Zebulom, a fim de guerrear contra o exército do rei Jabim. ...

Débora comemorou a vitória de Israel num cântico muito exaltado e sublime. Ela atribuiu a Deus toda a glória do livramento deles, e mandou que o povo O louvasse por Suas obras maravilhosas. Signs of the Times, 16 de junho de 1881.


RP - Pag. 262 

Gideão

Então, Se virou o Senhor para ele e disse: Vai nessa tua força e livra Israel da mão dos midianitas; porventura, não te enviei Eu? E ele Lhe disse: Ai, Senhor meu, com que livrarei Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu, o menor na casa de meu pai. Tornou-lhe o Senhor: Já que Eu estou contigo, ferirás os midianitas como se fossem um só homem. Juí. 6:14-16.

Todas as maravilhas que Deus operou para Seu povo foram efetuadas pelos meios mais simples. Quando o povo de Deus for inteiramente consagrado a Ele, o Senhor os usará para levar avante Sua obra na Terra. Mas devemos lembrar-nos de que, seja qual for o êxito que venhamos a ter, a glória e a honra pertencem a Deus; pois toda faculdade e todo poder são uma dádiva de Sua parte.

Deus provará ao máximo a fé e a coragem daqueles a quem confiou responsabilidades em Sua obra. As aparências muitas vezes serão proibitivas. Se bem que Deus tenha reiterado a certeza de Sua ajuda, a fé quase vacilará. "Assim diz o Senhor" tem de ser nossa firme confiança, independentemente de raciocínios humanos ou impossibilidades aparentes.

A experiência de Gideão e seu exército destinava-se a ensinar-nos lições de simplicidade e fé. O dirigente a quem Deus escolhera não ocupava posição preeminente em Israel. Não era príncipe, sacerdote, nem levita. Julgava-se o menor na casa de seu pai. A sabedoria humana não o teria escolhido; mas Deus viu em Gideão um homem de coragem moral e integridade. Não confiava em si próprio, e queria atender às instruções de Deus e cumprir Seus desígnios.

O Senhor não depende de homens de posição elevada, grande intelecto, ou amplo conhecimento. Tais homens, freqüentemente, são altivos e auto-suficientes. Julgam-se competentes para inventar e executar planos sem buscar o conselho de Deus. Separam-se da Videira Verdadeira, tornando-se, portanto, secos e infrutíferos, como ramos sem vida.

O Senhor queria envergonhar a jactância dos homens. Ele dará êxito aos mais débeis esforços, aos métodos menos promissores, quando designados por determinação divina e empreendidos com confiança e humildade. Signs of the Times, 30 de junho de 1881.


RP - Pag. 263 

Samuel

E crescia Samuel, e o Senhor era com ele; e nenhuma de todas as suas palavras deixou cair em terra. E todo o Israel, desde Dã até Berseba, conheceu que Samuel estava confirmado por profeta do Senhor. I Sam. 3:19 e 20.

Durante os anos que se passaram desde que o Senhor Se manifestara pela primeira vez ao filho de Ana, viera a vocação de Samuel ao ofício profético a ser reconhecida por toda a nação. Transmitindo fielmente a advertência divina à casa de Eli, por penoso e probante que tivesse sido este dever, Samuel dera prova de sua fidelidade como mensageiro de Jeová; "e o Senhor era com ele, e nenhuma de todas as suas palavras deixou cair em terra. E todo o Israel, desde Dã até Berseba, conheceu que Samuel estava confirmado por profeta do Senhor".

Os israelitas, como uma nação, continuavam ainda em estado de irreligião e idolatria, e como castigo permaneceram sujeitos aos filisteus. Durante este tempo Samuel visitou as cidades e aldeias por todo o país, procurando volver o coração do povo ao Deus de seus pais; e seus esforços não ficaram sem bons resultados. Depois de sofrerem a opressão de seus inimigos durante vinte anos, os israelitas lamentavam "após o Senhor". Aconselhou-os Samuel: "Se com todo o vosso coração vos converterdes ao Senhor, tirai dentre vós os deuses estranhos e os astarotes, e preparai o vosso coração ao Senhor, e servi a Ele só" (I Sam. 7:3); aqui vemos que a piedade prática, a religião do coração, era ensinada nos dias de Samuel como o foi por Cristo quando Ele esteve na Terra. Sem a graça de Cristo, as formas exteriores da religião eram destituídas de valor para o antigo Israel. Elas são o mesmo para o Israel moderno.

Há hoje necessidade de um tal reavivamento da verdadeira religião do coração como o que foi experimentado pelo antigo Israel. O arrependimento é o primeiro passo que deve ser dado por todos os que desejam voltar a Deus. Ninguém pode efetuar isto por outrem. Devemos individualmente humilhar nossa alma perante Deus, e lançar fora nossos ídolos. Quando houvermos feito tudo o que pudermos, o Senhor nos manifestará a Sua salvação. Patriarcas e Profetas, págs. 589 e 590.


RP - Pag. 264 

Davi

São estas as últimas palavras de Davi: Palavra de Davi, filho de Jessé, palavra do homem que foi exaltado, do ungido do Deus de Jacó, do mavioso salmista de Israel. O Espírito do Senhor fala por meu intermédio, e a Sua palavra está na minha língua. II Sam. 23:1 e 2.

Quem pode medir os resultados daqueles anos de labuta e vaguear entre as solitárias colinas? A comunhão com a Natureza e com Deus, o cuidado de seus rebanhos, os perigos e os livramentos, os pesares e as alegrias, coisas que eram próprias à sua humilde condição, não somente deviam modelar o caráter de Davi, e influenciar na sua vida futura, mas também deveriam, mediante os salmos do suave cantor de Israel, e em todas as eras vindouras, acender o amor e a fé nos corações do povo de Deus, levando-os mais perto do coração sempre amante dAquele em quem vivem todas as Suas criaturas.

Davi, na beleza e vigor de sua jovem varonilidade, estava se preparando para assumir uma elevada posição, entre os mais nobres da Terra. Seus talentos, como dons preciosos de Deus, eram empregados para exaltar a glória do Doador divino. Suas oportunidades para a contemplação e meditação serviam para enriquecê-lo daquela sabedoria e piedade, que o tornavam amado de Deus e dos anjos. Contemplando ele as perfeições de seu Criador, mais claras concepções de Deus desvendavam-se perante sua alma. Eram iluminados assuntos obscuros, dificuldades eram explanadas, harmonizadas perplexidades, e cada raio de nova luz provocava novas expansões de transportes, e mais suaves antífonas de devoção, para a glória de Deus e do Redentor.

O amor que o movia, as tristezas que o assediavam, os triunfos que o acompanhavam, tudo eram assuntos para o seu ativo pensamento; e, ao ver o amor de Deus em todas as providências de sua vida, seu coração palpitava com mais fervorosa adoração e gratidão, sua voz soava com mais magnificente melodia, sua harpa era dedilhada com alegria mais exultante; e o moço pastor ia de força em força, de conhecimento em conhecimento; pois o Espírito do Senhor estava sobre ele. Patriarcas e Profetas, pág. 642.


RP - Pag. 265 

Salomão

Agora, pois, ó Senhor, meu Deus, Tu fizeste reinar Teu servo em lugar de Davi, meu pai; não passo de uma criança, não sei como conduzir-me. Teu servo está no meio do Teu povo que elegeste, povo grande, tão numeroso, que se não pode contar. Dá, pois, ao Teu servo coração compreensivo para julgar a Teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal; pois quem poderia julgar a este grande povo? I Reis 3:7-9.

O nome de Jeová foi grandemente honrado durante a primeira parte do reinado de Salomão. A sabedoria e justiça reveladas pelo rei deram testemunho a todas as nações da excelência dos atributos do Deus que ele servia. Por algum tempo, Israel foi a luz do mundo, revelando a grandeza de Jeová. Não era na sua preeminente sabedoria, fabulosas riquezas, ou no vasto alcance do seu poder e fama que repousava a verdadeira glória do início do reinado de Salomão; mas na honra que ele levava ao nome do Deus de Israel, mediante sábio uso dos dons do Céu.

Ao passarem os anos, e aumentando a fama de Salomão, buscou ele honrar a Deus acrescentando sua força mental e espiritual e constantemente repartindo com outros as bênçãos recebidas. Ninguém compreendia melhor que ele, haver sido pelo favor de Jeová que entrara na posse do poder, sabedoria e entendimento, e que esses dons foram-lhe concedidos para que ele pudesse dar ao mundo o conhecimento do Rei dos reis.

Salomão tomou especial interesse pela História Natural, mas suas pesquisas não estavam limitadas a um determinado ramo do saber. Mediante diligente estudo de todas as coisas criadas, tanto animadas como inanimadas, adquiriu clara concepção do Criador. Nas forças da Natureza, no mundo mineral e animal, e em toda árvore, arbusto e flor, ele via a revelação da sabedoria de Deus; e ao procurar aprender mais e mais, seu conhecimento de Deus e seu amor por Ele constantemente aumentavam. Profetas e Reis, págs. 32 e 33.


RP - Pag. 266 

Elias

Então, Elias se chegou a todo o povo e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-O; se é Baal, segui-O. Porém o povo nada lhe respondeu. I Reis 18:21.

Entre as montanhas de Gileade, ao oriente do Jordão, habitava nos dias de Acabe um homem de fé e oração cujo destemeroso ministério estava destinado a deter a rápida disseminação da apostasia em Israel. Distanciado de qualquer cidade de renome, e não ocupando nenhuma alta posição na vida, Elias o tesbita não obstante entregou-se a sua missão, confiante no propósito de Deus de preparar diante dele o caminho e dar-lhe abundante sucesso. A palavra de fé e poder estava em seus lábios, e toda a sua vida estava devotada à obra da reforma. Sua voz era a de quem clama no deserto para repreender o pecado e fazer refluir a maré do mal. E conquanto viesse ao povo como reprovador do pecado, sua mensagem oferecia o bálsamo de Gileade a toda alma enferma do pecado que desejasse ser curada.

Ao Elias ver Israel aprofundar-se mais e mais na idolatria, sua alma ficou angustiada e despertou-se-lhe a indignação. Deus havia feito grandes coisas por Seu povo. Tinha-o libertado do cativeiro e lhe dado "as terras das nações, ... para que guardassem os Seus preceitos, e observassem as Suas leis". Sal. 105:44 e 45. Mas os beneficentes desígnios de Jeová haviam sido agora quase esquecidos. A incredulidade estava depressa separando a nação escolhida da Fonte de sua força.

Contemplando esta apostasia, do seu retiro na montanha, Elias sentiu-se oprimido pela tristeza. Em angústia de alma ele suplicou a Deus que detivesse em seu ímpio curso, o povo outrora favorecido, visitando-o com juízos, se necessário fosse, a fim de que pudesse ser levado a ver em sua verdadeira luz seu afastamento do Céu. Ele ansiava por vê-los levados ao arrependimento, antes que fossem tão longe na prática do mal que provocar o Senhor para que os destruísse completamente. Profetas e Reis, págs. 119 e 120.


RP - Pag. 267 

Eliseu

Havendo eles passado, Elias disse a Eliseu: Pede-me o que queres que eu te faça, antes que seja tomado de ti. Disse Eliseu: Peço-te que me toque por herança porção dobrada do teu espírito. II Reis 2:9.

Podemos aprender lições valiosas da experiência do profeta Eliseu. Eliseu foi escolhido pelo Senhor como ajudador de Elias, e mediante provação e luta demonstrou ser fiel a seu encargo. Estava disposto a ser e fazer qualquer coisa que o Senhor indicasse. Não procurou evitar o serviço mais humilde, mas foi fiel na realização dos menores deveres, bem como de responsabilidades maiores. Estava sempre disposto a servir em qualquer posição que o Senhor lhe assinalasse, embora pudesse parecer desagradável a suas inclinações naturais. E a cada passo aprendia lições de humildade e serviço. ...

"Havendo eles passado, Elias disse a Eliseu: Pede-me o que queres que eu te faça, antes que seja tomado de ti. Disse Eliseu: Peço-te que me toque por herança porção dobrada do teu espírito." II Reis 2:9. Ele não buscou honrarias mundanas, nem pediu uma posição elevada entre os grandes homens da Terra. O que ele anelava era uma porção dobrada do Espírito dado àquele a quem Deus estava a ponto de honrar pela trasladação. Sabia que nada, a não ser uma porção dobrada do Espírito que havia pairado sobre Elias poderia adaptá-lo para preencher o lugar que Elias havia ocupado, porque Elias tinha a experiência e sabedoria da idade, que não podia ser compartilhada com o jovem por nenhum método. ...

Quando o Senhor, em Sua providência, considera oportuno remover de Sua obra aqueles a quem tem dado sabedoria, Ele ajuda e fortalece seus sucessores, se olharem para Ele em busca de auxílio e andarem nos Seus caminhos. Até poderão ser mais sábios que seus antecessores; pois podem tirar proveito de suas experiências, e de seus erros adquirir sabedoria.

O Senhor tem especial cuidado de Sua igreja. Os que dEle buscarem sabedoria serão luzeiros no mundo, brilhando mais e mais até ser dia perfeito. Manuscrito 114, 1901.


RP - Pag. 268 

Isaías

Então, disse Ele: Vai e dize a este povo: Ouvi, ouvi e não entendais; vede, vede, mas não percebais. Torna insensível o coração deste povo, endurece-lhe os ouvidos e fecha-lhes os olhos, para que não venha ele a ver com os olhos, a ouvir com os ouvidos e a entender com o coração, e se converta, e seja salvo. Isa. 6:9 e 10.

O dever do profeta era claro; ele devia levantar a voz em protesto contra os males predominantes. Mas receava empreender a tarefa sem alguma segurança de sucesso. "Até quando, Senhor?" (Isa. 6:11), ele inquiriu. Nenhum dentre Teu povo escolhido há de compreender, arrepender-se, e ser curado?

Sua angústia de alma em favor do extraviado Judá não devia ser sofrida em vão. Sua missão não devia ser inteiramente infrutífera. Contudo, os males que tinham estado a se multiplicar por muitas gerações não seriam removidos em seus dias. No transcurso de sua vida ele teria de ser um corajoso e paciente ensinador - um profeta da esperança, bem como da condenação. O divino propósito seria finalmente cumprido, os frutos de seus esforços e dos labores de todos os fiéis mensageiros de Deus, haveriam de aparecer. Um remanescente devia ser salvo. Para que isto pudesse ser alcançado, e as mensagens de advertência e súplica fossem levadas à nação rebelde, o Senhor declarou: "Até que sejam desoladas as cidades e fiquem sem habitantes, as casas fiquem sem moradores, e a terra seja de todo assolada, e o Senhor afaste dela os homens, e no meio da terra seja grande o desamparo." Isa. 6:11 e 12.

Os pesados juízos que deviam cair sobre os impenitentes - guerra, exílio, opressão, perda de poder e prestígio entre as nações - tudo isso devia vir, para que os que neles reconhecessem a mão de um Deus ofendido, pudessem ser levados ao arrependimento. As dez tribos do reino do Norte deviam logo ser espalhadas entre as nações, e suas cidades ficariam em desolação; os exércitos destruidores de nações hostis deviam varrer sua terra vez após vez; até mesmo Jerusalém devia finalmente cair, e Judá ser levada cativa; contudo, a Terra Prometida não devia permanecer inteiramente abandonada para sempre. Review and Herald, 11 de março de 1915.


RP - Pag. 269 

Jeremias

A mim me veio, pois, a palavra do Senhor, dizendo: Antes que Eu te formasse no ventre materno, Eu te conheci, e antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações. Jer. 1:4 e 5.

O Senhor deu a Jeremias uma mensagem de repreensão para Seu povo, acusando-os de contínua rejeição do conselho de Deus, dizendo: "A Mim, porém, que, começando de madrugada, vos tenho falado, não Me obedecestes. Começando de madrugada, vos tenho enviado todos os Meus servos, dizendo: Convertei-vos agora, cada um do seu mau caminho, fazei boas as vossas ações e não sigais a outros deuses para servi-los; assim ficareis na terra que vos dei a vós outros e a vossos pais." Jer. 35:14 e 15.

Deus pleiteara com eles para que não Lhe provocassem a ira com as obras de suas mãos e de seus corações, mas não Lhe deram ouvidos. Jeremias então predisse o cativeiro dos judeus, como punição por não atenderem à palavra do Senhor. Os caldeus iam ser usados como instrumento pelo qual Deus castigaria Seu povo desobediente. Sua punição devia ser proporcional à luz que haviam recebido e às advertências que tinham desprezado. Por muito tempo estivera Deus retardando Seus juízos, em virtude de Sua relutância em humilhar o povo escolhido por Ele; mas agora faria recair sobre eles o Seu desprazer, como derradeiro esforço para detê-los em seu mau caminho.

Nestes dias Ele não estabeleceu um novo plano para preservar a pureza de Seu povo. Insta com os errantes que professam o Seu nome para que se arrependam e se afastem de seus maus caminhos, assim como fez no passado. Por boca de Seus servos escolhidos, agora como naquele tempo, Ele prediz os perigos que se acham diante deles. Faz soar a nota de advertência e reprova o pecado tão fielmente como nos dias de Jeremias. Mas o Israel de nosso tempo tem as mesmas tentações para desprezar a repreensão e detestar o conselho como o antigo Israel. Demasiadas vezes eles fazem ouvidos moucos para com as palavras que Deus tem dado a Seus servos para o benefício dos que professam a verdade. Signs of the Times, 12 de fevereiro de 1880.


RP - Pag. 270 

Josias e Hulda

Ide e consultai o Senhor por mim, pelo povo e por todo o Judá, acerca das palavras deste livro que se achou; porque grande é o furor do Senhor que se acendeu contra nós, porquanto nossos pais não deram ouvidos às palavras deste livro, para fazerem segundo tudo quanto de nós está escrito. II Reis 22:13.

Josias, desde o limiar mesmo de sua varonilidade, havia-se empenhado em tirar partido de sua posição como rei para exaltar os princípios da santa lei de Deus. E agora, enquanto o escriba Safã lia para ele no livro da lei, o rei discerniu nesse volume um tesouro de conhecimento, um poderoso aliado na obra de reforma que tanto desejava ver executada na terra. Resolveu andar na luz dos seus conselhos, e também fazer tudo que estivesse em seu poder para familiarizar seu povo com seus ensinos, e levá-los, se possível, a cultivar reverência e amor pela lei do Céu.

Seria, porém, possível levar a efeito a necessitada reforma? De tudo que ele pôde aprender da leitura do volume na sua presença, Israel quase havia alcançado os limites da divina paciência; logo Deus Se levantaria para punir os que haviam desonrado Seu nome. Já a ira do Senhor estava inflamada contra o povo. Oprimido pela tristeza e desânimo, Josias rasgou seus vestidos, e se prostrou perante Deus em agonia de espírito, suplicando perdão para os pecados de uma nação impenitente.

Por esse tempo vivia em Jerusalém, próximo do templo, a profetisa Hulda. O espírito do rei, carregado de ansiosos pressentimentos, voltou-se para ela, e ele se determinou interrogar o Senhor por intermédio desta mensageira escolhida, para saber, se possível, se por qualquer meio ao seu alcance poderia ele salvar o extraviado Judá, agora às bordas da ruína.

A gravidade da situação, e o respeito em que ele tinha a profetisa, levaram-no a escolher como mensageiros a ela, homens dentre os primeiros do reino. "Ide", lhes ordenara, "e consultai o Senhor por mim, pelo povo e por todo o Judá, acerca das palavras deste livro que se achou; porque grande é o furor do Senhor que se acendeu contra nós, porquanto nossos pais não deram ouvidos às palavras deste livro, para fazerem segundo tudo quanto de nós está escrito." II Reis 22:13. Review and Herald, 22 de julho de 1915.


RP - Pag. 271 

Daniel

Então, o rei engrandeceu a Daniel, e lhe deu muitos e grandes presentes, e o pôs por governador de toda a província da Babilônia, como também o fez chefe supremo de todos os sábios da Babilônia. Dan. 2:48.

A confissão de Cristo significa algo mais do que dar testemunho numa reunião de oração. Daniel é um exemplo para os crentes quanto ao significado de confessar a Cristo. Ele ocupava a responsável posição de primeiro-ministro no reino da Babilônia, e havia os que tinham inveja de Daniel entre os grandes homens da corte, os quais queriam encontrar alguma coisa contra ele para poderem acusá-lo perante o rei. Ele era, porém, um estadista fiel, e não podiam encontrar nenhum defeito em sua vida ou caráter.

"Disseram, pois, estes homens: Nunca acharemos ocasião alguma para acusar a este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus." Dan. 6:5. Concordaram, portanto, em pedir que o rei fizesse um decreto de que ninguém, por espaço de trinta dias, poderia fazer alguma petição a qualquer deus, ou a qualquer homem, a não ser ao rei, e que se alguém desobedecesse a este decreto, fosse lançado na cova dos leões.

Será, porém, que Daniel deixou de orar porque esse decreto entraria em vigor? Não! Esse foi precisamente o tempo em que necessitava de orar. "Daniel, pois, quando soube que a escritura estava assinada, entrou em sua casa e, em cima, no seu quarto, onde havia janelas abertas da banda de Jerusalém, três vezes no dia, se punha de joelhos, e orava, e dava graças, diante do seu Deus, como costumava fazer." Dan. 6:10. Daniel não procurou esconder sua lealdade a Deus. Ele não orou em seu coração, mas em voz alta, com a janela aberta na direção de Jerusalém, fazia suas petições ao Céu. ...

Podemos saber que, se nossa vida está escondida com Cristo, em Deus, quando formos levados a julgamento por causa de nossa fé, Jesus estará conosco. Quando levados perante governantes e dignitários para responder por nossa fé, o Espírito do Senhor nos iluminará o entendimento, de modo que sejamos capazes de dar testemunho para a glória de Deus. E, se formos chamados a sofrer por amor de Cristo, seremos capazes de ir para a prisão confiando nEle como uma criancinha confia em seus pais. Agora é o tempo de cultivar fé em Deus. Review and Herald, 3 de maio de 1892.


RP - Pag. 272 

Ester

Então, lhes disse Mordecai que respondessem a Ester: Não imagines que, por estares na casa do rei, só tu escaparás entre todos os judeus. Porque, se de todo te calares agora, de outra parte se levantará para os judeus socorro e livramento, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para conjuntura como esta é que foste elevada a rainha? Est. 4:13 e 14.

Nos antigos tempos, o Senhor operou de maneira maravilhosa através de mulheres consagradas que se uniram em Sua obra com homens que Ele escolhera para serem Seus representantes. Ele usou mulheres para alcançar grandes e decisivas vitórias. Mais de uma vez, em ocasiões de emergência, Ele as conduziu à vanguarda e operou por meio delas para a salvação de muitas vidas. Por intermédio da rainha Ester, o Senhor efetuou um poderoso livramento a favor de Seu povo. Numa ocasião em que parecia que nenhum poder poderia salvá-los, Ester e as mulheres associadas a ela, por meio de jejum, oração e ação imediata, enfrentaram a questão, trazendo salvação a seu povo.

O estudo do trabalho das mulheres em conexão com a Causa de Deus, nos tempos do Antigo Testamento, nos ensinará lições que nos habilitem a enfrentar emergências na obra hoje em dia. Talvez não sejamos levados a uma situação tão crítica e saliente como o povo de Deus no tempo de Ester; muitas vezes, porém, mulheres convertidas podem desempenhar uma parte importante em posições mais humildes. Isto, muitas têm feito, e ainda estão dispostas a fazer. É dever da mulher unir-se a seu marido para educar e preparar seus filhos e filhas, de modo que se convertam e consagrem suas faculdades ao serviço de Deus. Muitas há que têm habilidade para permanecer com seus maridos na obra do sanatório, aplicarem tratamentos nos doentes e falarem palavras de conselho e encorajamento a outros. Há as que devem buscar um preparo que as qualifique para fazer a parte de médicos. Special Testimonies, Série B, nº 15, págs. 1 e 2.


RP - Pag. 273 

Esdras e Neemias

Leram no Livro, na lei de Deus, claramente, dando explicações, de maneira que entendessem o que se lia. Neemias, que era o governador, e Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas que ensinavam todo o povo lhe disseram: Este dia é consagrado ao Senhor, vosso Deus, pelo que não pranteeis, nem choreis. Porque todo o povo chorava, ouvindo as palavras da lei. Nee. 8:8 e 9.

Neemias e Esdras são homens de oportunidade. O Senhor tinha uma obra especial para eles fazerem. Deviam instar com o povo para que considerassem os seus caminhos e vissem onde haviam errado; pois o Senhor não permitira que o Seu povo se tornasse impotente e confuso, e fosse levado em cativeiro, sem motivo algum. O Senhor abençoou especialmente esses homens por defenderem o que é direito. Neemias não foi separado como sacerdote ou profeta, mas o Senhor o usou para fazer uma obra especial. Ele foi escolhido como dirigente do povo. Mas sua fidelidade a Deus não dependia de sua posição.

O Senhor não deixará que Sua obra seja prejudicada, mesmo que os obreiros se mostrem indignos. Deus tem homens de reserva, preparados para enfrentar as exigências, de modo que Sua obra seja guardada de toda influência contaminadora. Deus será honrado e glorificado. Quando o Espírito divino impressiona a mente do homem indicado por Deus como sendo apto para a obra, ele responde, dizendo: "Eis-me aqui, envia-me a mim." Isa. 6:8.

Deus demonstrou ao povo pelo qual fizera tanta coisa que não condescenderia com os seus pecados. Ele operou, não por intermédio dos que se recusavam a servi-Lo com inteireza de propósito, que corromperam os seus caminhos diante dEle, mas por meio de Neemias; pois ele foi registrado nos livros do Céu como homem. Deus disse: "Aos que Me honram, honrarei." I Sam. 2:30. Neemias demonstrou ser um homem a quem Deus podia usar para derribar falsos princípios, e restaurar os de origem celeste; e Deus honrou-o. O Senhor usará em Sua obra homens que tenham para com os princípios a firmeza do aço, que não sejam demovidos pelos sofismas dos que perderam a visão espiritual. Review and Herald, 2 de maio de 1899.


RP - Pag. 274 

Zorobabel e Zacarias

Ora, os profetas Ageu e Zacarias, filho de Ido, profetizaram aos judeus que estavam em Judá e em Jerusalém, em nome do Deus de Israel, cujo Espírito estava com eles. Então, se dispuseram Zorobabel, filho de Sealtiel, e Jesua, filho de Jozadaque, e começaram a edificar a casa de Deus, a qual está em Jerusalém; e com eles, os referidos profetas de Deus, que os ajudavam. Esd. 5:1 e 2.

Na reconstrução da casa do Senhor, Zorobabel tinha sido cercado por múltiplas dificuldades. Em anos anteriores, os adversários tinham debilitado "as mãos do povo de Judá", e inquietaram-nos no edificar, "e os impediram à força de braço e com violência". Esd. 4:4 e 23. Mas o Senhor Se interpusera em favor dos fiéis construtores, e agora falou por intermédio do Seu profeta, Zacarias, a Zorobabel, dizendo: "Não por força nem por poder, mas pelo Meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos. Quem és tu, ó grande monte? Diante de Zorobabel serás uma campina; porque ele colocará a pedra de remate, em meio a aclamações: Haja graça e graça para ela!" Zac. 4:6 e 7.

Através da história do povo de Deus, grandes montanhas de dificuldades, aparentemente invencíveis, têm-se avultado diante dos que procuravam avançar de acordo com as providências tomadas por Deus. Tais obstáculos ao progresso são permitidos pelo Senhor como uma prova de fé. Quando somos apertados de todos os lados, é sobretudo tempo de confiarmos em Deus e no poder de Seu Espírito Santo. Não devemos andar em nossa própria força, mas na força do Senhor Deus de Israel. É insensato confiar no homem ou fazer da carne mortal o nosso braço. Precisamos confiar em Jeová, pois nEle há poder eterno. Aquele que, em atenção a palavras e atos de fé, tornou o caminho plano diante do Seu servo Zorobabel, é poderoso para desfazer todo obstáculo inventado por Satanás para impedir o progresso de Sua causa. Mediante o exercício de perseverante fé, podem ser removidas todas as montanhas de dificuldades.

Algumas vezes Deus disciplina Seus obreiros levando-os a desapontamentos e aparente fracasso. É Seu propósito que eles aprendam a dominar as dificuldades. Ele procura inspirá-los com a determinação de fazer com que todo fracasso aparente resulte em sucesso. Review and Herald, 16 de janeiro de 1908.


RP - Pag. 275 

João Batista

Disseram-lhe, pois: Declara-nos quem és, para que demos resposta àqueles que nos enviaram; que dizes a respeito de ti mesmo? Então, ele respondeu: Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías. João 1:22 e 23.

"Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João Batista." Mat. 11:11. No anúncio feito a Zacarias, antes do nascimento de João, o anjo declarara: "Será grande diante do Senhor." Luc. 1:15. Que, em face da maneira de avaliar do Céu, constitui a grandeza? - Não o que o mundo reputa como tal; não riqueza, nem posição, nem nobreza de linhagem, nem dons intelectuais considerados em si mesmos. Se grandeza intelectual, à parte de qualquer consideração mais elevada, é digna de honra, então Satanás merece nossa homenagem, porque suas faculdades intelectuais nenhum homem já igualou. Mas, quando pervertido para o serviço do próprio eu, quanto maior o dom, tanto maior maldição se torna.

Valor moral, eis o que é estimado por Deus. Amor e pureza são os atributos que mais aprecia. João era grande aos olhos do Senhor quando, em presença dos emissários do Sinédrio, diante do povo e perante seus próprios discípulos, se absteve de buscar honra para si, mas encaminhou todos para Jesus como o Prometido. Sua desinteressada alegria no ministério de Cristo, apresenta o mais elevado tipo de nobreza já revelado em homem.

O testemunho dado a seu respeito, depois de morto, pelos que o ouviram testificar de Jesus, foi: "João não fez sinal algum, mas tudo quanto João disse dEste era verdade." João 10:41. Não foi concedido ao Batista fazer cair fogo do Céu, ou ressuscitar um morto, como fizera Elias, ou empunhar a vara do poder de Moisés em nome de Deus. Foi enviado para anunciar o advento do Salvador, e chamar o povo a preparar-se para Sua vinda. Tão fielmente cumpriu ele sua missão, que, ao recordar o povo o que lhes ensinara a respeito de Jesus, podiam dizer: "Tudo quanto João disse dEste era verdade." Um testemunho assim todo discípulo de Cristo é chamado a dar de seu Mestre. O Desejado de Todas as Nações, págs. 219 e 220.


RP - Pag. 276 

Jesus, Nosso Senhor

O Espírito do Senhor está sobre Mim, pelo que Me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-Me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor. Luc. 4:18 e 19.

Cristo não proferia palavras que revelassem Sua importância ou mostrassem Sua superioridade; Ele não desprezava Seus semelhantes. Não fazia pretensão de autoridade por causa de Sua relação com Deus, mas Suas palavras e ações demonstravam que Ele tinha conhecimento de Sua missão e caráter. Falava das coisas celestiais como Alguém familiarizado com tudo que era divino. Falava de Sua intimidade e unidade com o Pai como uma criança falaria de sua ligação com seus pais. Falava como Alguém que viera iluminar o mundo com Sua glória. Nunca defendia as escolas dos rabinos; pois era o Mestre enviado por Deus para instruir a humanidade. Como Alguém no qual se encontra todo o poder restaurador, Cristo falava em atrair todos a Si mesmo, e em conceder vida eterna. NEle há poder para curar toda doença física e espiritual.

Cristo veio ao nosso mundo com a percepção de algo mais do que a grandeza humana, para realizar uma obra que devia ser infinita em seus resultados. Onde O encontrais realizando essa obra? Na casa de Pedro, o pescador. Descansando junto ao poço de Jacó e falando à samaritana sobre a água viva. Ele geralmente ensinava ao ar livre, mas às vezes no Templo, pois assistia às reuniões do povo judeu. Na maioria das vezes, porém, ensinava ao estar sentado na encosta de uma montanha ou no barco de um pescador. Ele entrava na vida desses pescadores humildes. Sua simpatia estava voltada para os necessitados, sofredores e desprezados; e muitos eram atraídos para Ele.

Quando foi elaborado o plano da redenção, ficou decidido que Cristo não apareceria de acordo com o Seu aspecto divino; pois nesse caso Ele não poderia comunicar-Se com os aflitos e sofredores. Deveria vir como pessoa pobre. Poderia ter aparecido de acordo com Sua elevada posição nas cortes celestiais; mas não o fez. Ele precisava chegar às ínfimas profundezas do sofrimento e da pobreza humana, para que Sua voz pudesse ser ouvida pelos oprimidos e decepcionados. Signs of the Times, 24 de junho de 1897.


RP - Pag. 277 

Os Discípulos

Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. Atos 4:33.

Depois da crucifixão de Cristo, os discípulos eram um grupo indefeso e desalentado - como ovelhas sem pastor. Seu Mestre fora rejeitado, condenado, e pregado na ignominiosa cruz. Os maiorais e sacerdotes judeus haviam declarado com escárnio: "Salvou os outros, a Si mesmo não pode salvar-Se. É Rei de Israel! desça a cruz, e creremos nEle." Mat. 27:42.

Mas a cruz, esse instrumento de vergonha e tortura, trouxe esperança e salvação ao mundo. Os discípulos se reuniram; seu desespero e o senso de inutilidade os abandonara. Seu caráter fora transformado e eles se uniram pelos laços do amor cristão. Eram apenas homens humildes, sem dinheiro e com nenhuma outra arma senão a Palavra e o Espírito de Deus, considerados pelos judeus como meros pescadores. Entretanto, na força de Cristo, saíram para testemunhar da verdade e para triunfar sobre toda a oposição. Revestidos da armadura divina, puseram-se a contar a maravilhosa história da manjedoura e da cruz. Sem honra ou reconhecimento terrestres, foram heróis da fé. De seus lábios saíram palavras de eloqüência divina que abalaram o mundo.

Os que rejeitaram e crucificaram o Salvador esperavam ver os discípulos desanimados, abatidos e prontos para negar o seu Senhor. Com espanto, ouviram o testemunho claro e ousado dos apóstolos, dado sob o poder do Espírito Santo. Os discípulos trabalhavam e falavam como Seu Mestre havia trabalhado e falado, e todos os que os ouviam diziam: "Eles estiveram com Jesus, e aprenderam dEle."

Ao saírem os apóstolos, pregando a Jesus por toda parte, eles fizeram muitas coisas que os dirigentes judeus não aprovavam. O povo levava para a rua os seus doentes e os que eram afligidos por espíritos imundos; as multidões se aglomeravam ao seu redor e os que haviam sido curados davam louvores a Deus e glorificavam o nome dAquele a quem os judeus haviam condenado, coroado de espinhos e feito com que fosse açoitado e crucificado. Signs of the Times, 20 de setembro de 1899.


RP - Pag. 278 

Estêvão

Estêvão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. Atos 6:8.

Estêvão era muito ativo na causa de Deus, e com ousadia proclamava a sua fé. "Levantaram-se, porém, alguns dos que eram da sinagoga chamada dos Libertos, dos cireneus, dos alexandrinos, e dos da Cilícia e Ásia, e discutiam com Estêvão; e não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito, pelo qual ele falava." Atos 6:9 e 10. Estes alunos dos grandes rabinos sentiram-se confiantes de que, numa discussão pública, poderiam obter completa vitória sobre Estêvão, em vista de sua suposta ignorância. Ele, porém, não somente falava no poder do Espírito Santo, mas também era claro a todo o vasto ajuntamento ser ele um estudioso das profecias, e instruído em todos os assuntos da lei. Habilmente defendia as verdades que advogava e derrotava completamente seus oponentes.

Os sacerdotes e maiorais que testemunharam a admirável manifestação do poder que acompanhava o ministério de Estêvão encheram-se de ódio atroz. Em vez de se renderem às provas que ele apresentava, resolveram silenciar-lhe a voz, matando-o. Em várias ocasiões haviam subornado as autoridades romanas, para que passassem por alto casos em que os judeus tinham feito justiça pelas próprias mãos, julgando, condenando e executando prisioneiros de acordo com seu costume nacional. Os inimigos de Estêvão não tinham dúvida de que poderiam seguir de novo o mesmo caminho sem se exporem ao perigo. Determinados a arcar com as conseqüências, agarraram Estêvão e o levaram ao concílio do Sinédrio, para julgamento. ...

Quando Estêvão se colocou face a face com seus juízes, para responder à acusação de blasfêmia, um santo fulgor resplandeceu em seu rosto. "Todos os que estavam assentados no Sinédrio, fitando os olhos em Estêvão, viram o seu rosto como se fosse rosto de anjo." Atos 6:15. Os que exaltavam Moisés poderiam ter visto no semblante do acusado o mesmo e santo fulgor que resplandecera na face desse antigo profeta. O Shekinah era um espetáculo que eles nunca mais veriam no Templo cuja glória se retirara para sempre. Muitos que contemplaram a radiante fisionomia de Estêvão tremeram, e velaram o rosto; mas a pertinaz incredulidade e o preconceito não se abalaram. The Spirit of Prophecy, vol. 3, págs. 294-296.


RP - Pag. 279 

Filipe, o Diácono

Então, disse o Espírito a Filipe: Aproxima-te desse carro, e acompanha-o. Correndo Filipe, ouviu-o ler o profeta Isaías e perguntou: Compreendes o que vens lendo? Atos 8:29 e 30.

Deus está olhando de Seu trono, e envia Seus anjos à Terra, para cooperarem com os que estão ensinando a verdade. Lede o relato da experiência de Filipe e o eunuco. "Um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Dispõe-te e vai para a banda do sul, no caminho que desce de Jerusalém a Gaza; este se acha deserto. Ele se levantou e foi. Eis que um etíope, eunuco, alto oficial de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todo o seu tesouro, que viera adorar em Jerusalém, estava de volta e, assentado no seu carro, vinha lendo o profeta Isaías." Atos 8:26-28. ...

Este incidente revela o cuidado que o Senhor tem para com toda pessoa que é suscetível à verdade. Vemos quão de perto o ministério dos anjos celestiais está relacionado com o trabalho dos servos do Senhor na Terra.

A Filipe foi confiado o encargo de penetrar em novos lugares, de abrir novo território. Foram-lhe dadas instruções por um anjo que observava toda oportunidade para colocar homens em conexão com os seus semelhantes. Filipe foi enviado "para a banda do sul, no caminho que desce de Jerusalém a Gaza; este se [achava] deserto". Atos 8:26. Isto o pôs em contato com um homem de grande influência, o qual, quando se convertesse, comunicaria a luz da verdade a outros. Mediante a atuação do Senhor com o auxílio de Filipe, o homem se convenceu da verdade, converteu-se, e foi batizado. Ele era um ouvinte de estrada, um homem de boa posição, que exerceria vigorosa influência em favor da verdade.

Hoje, como naquele tempo, anjos do Céu estão esperando para guiar homens a seus semelhantes. Um anjo mostrou a Filipe onde poderia encontrar esse homem, que se achava tão disposto a receber a verdade; e hoje em dia, anjos de Deus guiarão os passos dos obreiros que permitam ao Espírito Santo santificar-lhes a língua, educar e enobrecer-lhes o coração. Review and Herald, 20 de abril de 1905.


RP - Pag. 280 

Dorcas

Havia em Jope uma discípula, por nome Tabita, nome este que, traduzido, quer dizer Dorcas; era ela notável pelas boas obras e esmolas que fazia. Atos 9:36.

Em Jope, que ficava perto de Lida, vivia uma mulher chamada Dorcas, cujas boas ações a tornaram grandemente amada. ... Sua vida estava repleta de atos de bondade. Seus hábeis dedos eram mais ativos do que sua língua. Sabia quem carecia de roupa confortável e quem necessitava de simpatia, e ministrava liberalmente aos pobres e tristes.

"Aconteceu, naqueles dias, que ela adoeceu e veio a morrer." Atos 9:37. A igreja de Jope sentiu a sua perda. E em vista da vida de serviço que Dorcas vivera, não admira que chorassem, que cálidas lágrimas caíssem sobre o corpo inanimado.

Ouvindo que Pedro estava em Lida, os crentes de Jope lhe enviaram mensageiros, rogando-lhe que não se demorasse em vir ter com eles. (Atos 9:38.) "Pedro atendeu e foi com eles. Tendo chegado, conduziram-no para o cenáculo; e todas as viúvas o cercaram, chorando e mostrando-lhe túnicas e vestidos que Dorcas fizera enquanto estava com elas." Atos 9:39.

Pedro determinou que os amigos em pranto se retirassem do quarto, e então, ajoelhando-se, orou fervorosamente a Deus, para que restabelecesse Dorcas à vida e à saúde. Voltando-se para o corpo, disse: "Tabita, levanta-te! Ela abriu os olhos e, vendo a Pedro, sentou-se." Atos 9:40.

Dorcas fora de grande utilidade à igreja, e Deus achou por bem trazê-la da terra do inimigo, a fim de que sua habilidade e energia pudessem ainda ser uma bênção a outrem, e que por esta manifestação de Seu poder a causa de Cristo se fortalecesse. Review and Herald, 6 de abril de 1911.


RP - Pag. 281 

Paulo

Mas levanta-te e firma-te sobre teus pés, porque por isto te apareci, para te constituir ministro e testemunha, tanto das coisas em que Me viste como daquelas pelas quais te aparecerei ainda. Atos 26:16.

A solene incumbência dada a Paulo por ocasião de seu encontro com Ananias, pesou-lhe mais e mais sobre o coração. Quando, em resposta à declaração: "Irmão Saulo, recupera a vista", Paulo contemplou pela primeira vez a face desse devoto homem, Ananias, sob a inspiração do Espírito Santo, disse-lhe: "O Deus de nossos pais, de antemão, te escolheu para conheceres a Sua vontade, veres o Justo e ouvires uma voz da Sua própria boca, porque terás de ser Sua testemunha diante de todos os homens, das coisas que tens visto e ouvido. E agora, por que te demoras? Levanta-te, recebe o batismo e lava os teus pecados, invocando o nome dEle." Atos 22:13-16.

Estas palavras estavam em harmonia com as palavras do próprio Jesus, que, quando deteve Saulo na viagem para Damasco, declarou: "Porque por isto te apareci, para te constituir ministro e testemunha, tanto das coisas em que Me viste como daquelas pelas quais te aparecerei ainda; livrando-te do povo e dos gentios, para os quais Eu te envio, para lhes abrires os olhos e os converteres das trevas para a luz e da potestade de Satanás para Deus, a fim de que recebam eles remissão de pecados e herança entre os que são santificados pela fé em Mim." Atos 26:16-18.

Ponderando essas coisas em seu coração, Paulo compreendeu cada vez melhor a razão de seu chamado - ser um "apóstolo de Cristo Jesus por vontade de Deus". Efés. 1:1. Este chamado lhe veio, "não da parte de homens, nem por intermédio de homem algum, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai". Gál. 1:1. A magnitude da obra que lhe estava diante levou-o a dedicar muito estudo às Escrituras Sagradas, a fim de que pudesse pregar o evangelho, "não com sabedoria de palavra, para que se não anule a cruz de Cristo" (I Cor. 1:17), "mas em demonstração do Espírito e de poder", para que a fé de todos os que ouvissem "não se apoiasse em sabedoria humana e sim no poder de Deus" (I Cor. 2:4 e 5). Review and Herald, 30 de março de 1911.


RP - Pag. 282 

Timóteo

Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela Sua manifestação e pelo Seu reino: prega a Palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina. II Tim. 4:1 e 2.

Esta solene incumbência a alguém tão zeloso e fiel como era Timóteo é um forte testemunho da importância e responsabilidade da obra do ministro evangélico. Chamando Timóteo ao tribunal de Deus, Paulo lhe ordena pregar a Palavra, não fórmulas e ditos humanos; a testemunhar prontamente de Deus onde quer que se lhe apresentasse oportunidade - diante de grandes congregações ou de limitados círculos, junto aos caminhos e nos lares, a amigos e a inimigos, fosse em segurança ou exposto a dificuldades e perigos, vitupério e danos.

Temendo que a disposição branda e condescendente de Timóteo pudesse levá-lo a esquivar-se de uma parte essencial de sua obra, Paulo exorta-o a ser fiel em reprovar o pecado, e a repreender mesmo com firmeza os que fossem culpados de males graves. Contudo devia fazê-lo "com toda a longanimidade e doutrina". II Tim. 4:2. Devia ele revelar a paciência e o amor de Cristo, tornando claras suas reprovações e reforçando-as pelas verdades da Palavra.

Odiar e reprovar o pecado, e ao mesmo tempo mostrar piedade e comiseração pelo pecador é uma difícil tarefa. Quanto mais ardentes nossos próprios esforços para manter a santidade do coração e da vida, tanto mais aguda nossa percepção do pecado, e mais decidida nossa desaprovação de qualquer desvio do direito. Precisamos guardar-nos contra a indevida severidade no trato com os que erram; mas precisamos também ser cuidadosos para não perder de vista a excessiva malignidade do pecado. Há necessidade de mostrar-se paciência e amor semelhantes aos de Cristo pelo que erra, mas há também o perigo de se mostrar tão grande tolerância pelo seu erro que ele se considerará não merecedor de reprovação e a rejeitará como inoportuna e injusta. Atos dos Apóstolos, págs. 503 e 504.


RP - Pag. 283 

Áquila e Priscila: Missionários por Conta Própria

Saudai Priscila e Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus, os quais pela minha vida arriscaram a sua própria cabeça; e isto lhes agradeço, não somente eu, mas também todas as igrejas dos gentios. Rom. 16:3 e 4.

Paulo deu um exemplo contra o sentimento que então ganhava influência na igreja, de que o evangelho só poderia ser pregado com êxito por aqueles que estivessem inteiramente libertos da necessidade de trabalho físico. Ele ilustrou de maneira prática o que podia ser feito por consagrados leigos em muitos lugares onde o povo não estava familiarizado com as verdades do evangelho. Sua atitude inspirou muitos humildes trabalhadores com o desejo de fazer o que lhes fosse possível para o avanço da causa de Deus, enquanto ao mesmo tempo se mantinham a si mesmos com o trabalho diário.

Áquila e Priscila não foram chamados a dar todo o seu tempo ao ministério evangélico; todavia esses humildes obreiros foram usados por Deus para mostrar a Apolo mais perfeitamente o caminho da verdade. O Senhor emprega vários instrumentos para a realização de Seu propósito; e enquanto alguns com talentos especiais são escolhidos para devotar todas as suas energias à tarefa de ensinar e pregar o evangelho, muitos outros, sobre quem mãos humanas nunca foram postas em ordenação, são chamados a desempenhar importante parte na salvação de almas.

Há um vasto campo aberto diante do obreiro evangélico por conta própria. Muitos podem alcançar valiosas experiências no ministério, enquanto trabalham parte do tempo em alguma forma de atividade manual; e por este método, eficientes obreiros podem-se desenvolver para importantes serviços em campos necessitados.

O voluntário e abnegado servo de Deus, que trabalha incansavelmente por palavra e doutrina, leva sobre o coração um pesado fardo. Ele não mede sua obra pelas horas. Seu salário não tem influência em seu trabalho, nem se desvia ele de seu dever por causa de condições desfavoráveis. Recebeu do Céu sua missão, e do Céu espera a recompensa quando a obra a ele confiada estiver concluída. Atos dos Apóstolos, págs. 355 e 356.


RP - Pag. 284 

João, o Revelador

Eu, João, irmão vosso e companheiro na tribulação, no reino e na perseverança, em Jesus, achei-me na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus e do testemunho de Jesus. Apoc. 1:9.

Segundo as aparências exteriores, os inimigos da verdade estavam triunfando; mas a mão de Deus movia-se invisível no meio das trevas. O Senhor permitiu que Seu servo fosse colocado onde Cristo poderia dar-lhe mais maravilhosa revelação de Si mesmo do que ele já havia recebido; onde pudesse receber preciosíssimo esclarecimento sobre as igrejas. Permitiu que ele fosse colocado em solidão, para que seus ouvidos e coração estivessem melhor preparados para ouvir e receber as revelações que lhe seriam dadas. O homem que exilou a João não ficou isento de responsabilidade nessa questão. Ele tornou-se, porém, um instrumento nas mãos de Deus para a realização de Seu eterno propósito; e o próprio esforço para extinguir a luz colocou a verdade em ousada notoriedade.

João foi privado da companhia de seus irmãos, mas ninguém poderia privá-lo da companhia de Cristo. Grande luz devia brilhar de Cristo para Seu servo. O Senhor cuidava de Seu discípulo degredado, e lhe deu maravilhosa revelação de Si mesmo. Ricamente favorecido foi este amado discípulo. Com os outros discípulos, andara e falara com Jesus, aprendendo dEle, e deleitando-se com Suas palavras. Muitas vezes reclinara a cabeça no peito de seu Salvador. Mas também precisava vê-Lo em Patmos.

Deus, Cristo e os anjos celestiais foram os companheiros de João na solitária ilha, e deles recebeu instruções de infinito valor. Ali escreveu as visões e revelações recebidas de Deus, falando das coisas que ocorreriam nas cenas finais da história terrestre. Quando sua voz não mais pudesse testificar da verdade, as mensagens que lhe foram dadas em Patmos deveriam avançar como uma lâmpada que arde. Por meio delas, homens e mulheres aprenderiam os desígnios de Deus, não meramente a respeito da nação judaica, mas a respeito de cada nação da Terra. Signs of the Times, 22 de março de 1905.....



Boletim Informativo

Cadastre-se para receber nosso boletim informativo e notícias de sua cidade ou região.


Copyright 2013-2020 Classificados da Barra - (21) 3502-0876 / 96475-6947.
Classificados da Barra LTDA, CNPJ: 28.894.203/0001-98, Rua Esperança, 259 SL 01 , Vargem Grande, Rio de Janeiro/RJ, CEP: 22785-590 Todos os direitos são reservados. Proibido a reprodução sem a devida autorização.